hipo

hipo
O CHEIRO CONTINUA O MESMO

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

negra


Descupaê a falta de referência da foto... Mas não é massa?


é negra a ausência
é negra a presença branca
é negra, é negra, pois

vermelha, minha pele é negra
negro, sou índio sem ser da índia
sozinho, sou lindo

com pecado, sou branco?
sem pecado, sou negro?
livre do pecado, transpareço

quarta-feira, 29 de outubro de 2008


O corvo. Desenho de Leandro Gomes.


O corvo

a bruma é mesmo o meu lugar
a bruma dissolve a minha máscara
e eu vôo

não terei medo se o sol vier
vou olhar para ele de frente
assumir a cegueira
e arder

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

CORDURA

Urbano. Imagem de obra de Cláudio Damasceno

CORDURA

no centro
estou só
multiplico-me para os lados
e continuo sozinho

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Lápis de cor de Dagmar Medeiros para o projeto Sobre/Natural do Grupo Universitário de Aquarela e Pastel - GUAP


sobre/natural

as pernas soltas da cadeira preparam quedas
você cai e esmaga pirilampos
seus dedos refulgem
um passeio assim ao por do sol
quando o sol arde brando e as lâmpadas acendem
você registra e sabe que o que você registra
não é mera história ou memória
é massa de pigmento
é desenho

Fotoescaner de Leandro Garcia

assim

quando as balas raspam
quando as caras mascaram-se
quando a música para
a poesia cala
ou fala trôpega
indecisa
dúbia
com seus pés quebrados

terça-feira, 2 de setembro de 2008


Casario de Dorian Gray


Para meu amigo e mestre e agora colega doutor da UFRN
Dorian Gray Caldas

mistérios concisos
encerram-se por trás
das espetaculares fachadas
mas não há nada atrás da tela
além talvez
do espelho cego
em que não se vê o artista

atiro-me no plástico da tinta
se quero transpor aquelas paredes de mil cores
não sei se por trás ou por dentro da tela
o fragor da vida me ensurdece

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Preguiça


Vicente Preguiça. Foto de Dulcinea Macedo.


Preguiça

tenho preguiça de respirar
preguiça de ter preguiça
espreguiçar-se na espreguiçadeira
e olhar de lado para a natureza

a preguiça mata
mas eu tenho preguiça de morrer
ela é a mãe da pobreza
e eu sou rico só de preguiça

tenho preguiça de amanhecer
preguiça de estar
uso a preguiça como cobertor
e tenho preguiça de sonhar

segunda-feira, 11 de agosto de 2008


Gato
não apto
ao rapto
do rato

Gato que só dorme
E n o r m e...

terça-feira, 5 de agosto de 2008

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Foto de Dulcinea Macedo




os pingos da madrugada

madrugada
pele enrugada
nada

pele tépida
ar
terapia

pedras de sal
cajus
e estrelas

inundação
do ontem
na sombra fria

terça-feira, 10 de junho de 2008

RIP RAP

Imagem obtida em cigarranapaisagem.blogspot.com


tlec
tlec
tlec

resquiescat in pacem

rip
resta o que?

tlec
tlec
tlec

rhythm and poetry

rap
o poeta rapina a língua

domingo, 1 de junho de 2008

Hyppolite Flandrin. Jovem sentado a beira mar, 1836.




faço silêncio no começo da madrugada

fico calado

ponho o dedo na boca

faço psiu! para mim mesmo

alguma treva lá fora exige isto de mim

e eu obedeço



preciso aprender no silêncio

aprender do silêncio

com o silêncio



o silêncio sabe


sábado, 17 de maio de 2008

monotipia de leandro garcia


confesso a inércia
confesso a burrice
confesso a preguiça
nego
confesso um delírio
confesso um deslize
confesso um arbítrio
nego
confesso a apatia
confesso a ignorância
confesso a alma fria
nego
confesso uma ausência
confesso uma amargura
confesso uma distância
nego

sábado, 10 de maio de 2008

SALVEM-ME!




navego no poço

no buraco fundo dos domingos idos

e cachimbos de ouro

tornam o fumo mais amargo

terça-feira, 6 de maio de 2008

Presente!


Apesar dos estragos do tempo.......

terça-feira, 29 de abril de 2008

monstruoso

há um monstro bem ali
um monstro monstruoso
que mete medo e mente tanto
que parece engraçado
amo o monstro como se estivesse diante do espelho
e rio de suas gracinhas
nadando de costas contra o mar

sábado, 26 de abril de 2008

TAPUYA




meu querido

meu saudoso

louco amigo

Almeida Júnior dos tapuyas e monxorós

mas tão branco quanto um italiano cavalcanti


meu requisitado

meu relegado

frágil professor

andy warhol dos potiguaras

e tão brilhante quanto Rabanne


meu necessário

meu nunca esquecido

noturno companheiro

Jean Genet dos trópicos

Boulier de seu Sidou

quinta-feira, 24 de abril de 2008

CONSTRIÇÃO



No meio do redemoinho

como um louco

pulo

Nós górdios sustentam meu gesto

constringindo-o.

No mar

eu sonhava com a terra.

Nesta

meu desejo é navegar.

A liberdade dói!

quarta-feira, 23 de abril de 2008

Apocalipse já era!

Hipo! Hipo!
Apocalipopótimos tempos indo.
Lindos sonhos.
Lindas tardes e madrugadas,
quentes e macias
como sexo.